Sábado, 29 de Janeiro de 2022
Opinião Coluna

Coluna | Como toda e qualquer baboseira, o bolsonarismo começa a morrer

Kleysykennyson: Aos poucos, de forma bem acanhada, a bad trip chamada bolsonarismo começa a perder força, perder graça e muita gente começa a ficar envergonhada de ter feito parte da trupe de circo que lambe as botas do Jair. O antibolsonarismo pode decidir a eleição do ano que vem

20/12/2021 às 16h49 Atualizada em 20/12/2021 às 16h51
Por: Kleysykennyson Carneiro
Compartilhe:
Coluna | Como toda e qualquer baboseira, o bolsonarismo começa a morrer

Olha só, quem diria! O bolsonarismo está perdendo forças no Brasil. Não que seja fraco já, longe disso, mas já não tem a força que tinha antes. Em 2019, por exemplo, antes de Bolsonaro provar sua incompetência como gestor, o bolsonarismo dava o tom da política no Brasil. Houve quem apostasse até, isso inclui eu, que o Brasil viveria um ciclo bolsonarista, que o palhaço que governa o Brasil seria reeleito e faria sucessores.

Ledo engano.

Bolsonaro nem se reeleger vai. Será o primeiro, desde que essa brincadeira chamada "mais quatro anos" foi inventada no Brasil, a não conseguir mais um mandato. Também pudera: o pior presidente da história, junto com Collor, Hermes da Fonseca e Floriano Peixoto, não poderia ficar nem um dia no poder além desse pesadelo que acaba em 2022.

Parecia que não ia acabar nunca o bolsonarismo, mas ele vai morrer. É possível enxergar no horizonte o fim da obscuridade no poder. Bolsonaro vai cair fora da presidência e não fará falta. Será difícil remendar os estragos deixados, mas ele vai cair fora.

O bolsonarismo está ficando capenga - está evidente. E isso vai além das bolhas. Ele perde força nas pesquisas, bate recordes de rejeição e já perde em quase todos os cenários eleitorais. Como tiranos em qualquer lugar do mundo, Bolsonaro será destituído pelo próprio povo que ele oprimiu.

As fake news já não têm força, poucos acreditam ainda nas mensagens disparadas em massa. Os canalhas que o defendem com unhas e dentes já não tem credibilidade. Os artistas que gastaram suas imagens para defendê-lo já não tem sequer a mesma graça de antes. A Jovem Pan virou um paraíso para cancelados - com audiência pífia. Acabou!

Antes, era "qualquer coisa, menos o PT". Agora, as coisas mudaram tanto que parece ser "qualquer coisa, menos Bolsonaro". Qualquer coisa, até Lula - o que é lamentável.

O antipetismo já não é maior força política do Brasil. Há medo, inclusive dentro do Planalto, de que Lula possa vencer no primeiro turno. O bolsonarismo, ao que parece, só é um movimento de força política se estiver fora do poder. De dentro, quando é preciso governar, o movimento não se sustenta.

Defender com unhas e dentes Bolsonaro é uma bad trip que está chegando ao fim. A partir de 2023, o Brasil pode despertar de um pesadelo, juntar os cacos e recomeçar. E não vai ser fácil. Quem vencer a eleição, vai pegar um Brasil em uma situação difícil. É por isso que acredito que será preciso um esforço coletivo para reerguer o gigante que está nas cordas, implorando pra pararem de dar porrada nele.

A trupe de circo, que é Jair, seus comparsas e seus seguidores lunáticos, está perdendo forças e só se mantém no poder se fizer estripulia - e isso não vai acontecer.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias