Sábado, 26 de Novembro de 2022
Opinião Opinião

Em que lugar do mundo alguém vai contra ensino integral?

Opinião: Na semana em que pais da Vila Ouro Verde, zona rural de Canaã, lotam Câmara para pedir que escola não funcione mais em tempo integral. Isso tem cabimento?

10/06/2022 às 15h39 Atualizada em 10/06/2022 às 19h52
Por: Kleysykennyson Carneiro
Compartilhe:
Em que lugar do mundo alguém vai contra ensino integral?

Acredite se quiser. Alguns pais de alunos da Escola Carlos Henriques, que fica na Vila Ouro Verde, zona rural de Canaã dos Carajás, querem o fim do ensino integral naquela unidade. Sim, não é brincadeira. Inclusive, um grupo esteve na Câmara Municipal durante a última Sessão Ordinária, realizada na terça-feira (7), e ganhou voz na tribuna com um parlamentar canaense, que pegou a causa para si e se juntou ao coro dos descontentes da Vila Ouro Verde.

Antes de mais nada, preciso dizer que toda a manifestação é livre em uma democracia. Canaã, inclusive, é um dos municípios mais democráticas do Brasil e reclamar, ou mesmo clamar por algo que atenda suas necessidades, é direito dos mais legítimos. Defendo o direito de todos terem uma bandeira.

No entanto, essa bandeira específica me parece um completo absurdo. Em qual lugar do mundo se recusa educação integral? Quanto mais tempo uma criança tem acesso à educação, melhor será o seu futuro. Pais em todos os lugares pagam fortunas para que seus filhos estudem em escolas o dia todo. Aqui, o ensino é de graça, de qualidade e há pessoas se manifestando contra isso.

Não há nada que justifique o fim do ensino integral em uma região.

O vereador que usou a tribuna para dar voz ao grupo de pais afirmou que a Vila Ouro Verde não precisa de ensino integral. Mas o óbvio precisa ser dito aqui: toda criança no mundo precisa de ensino integral. Se os pais destes alunos e mesmo o parlamentar em questão tivessem tido acesso à escola durante todo o dia, não pensariam dessa forma tão desconexa.

E tem mais... A Escola começou a funcionar neste modelo em 23 de maio deste ano. São 17 dias de funcionamento apenas. Em 17 dias, os pais puderam analisar os efeitos do ensino integral e já chegaram à conclusão empírica de que  não vale a pena para seus filhos estudarem o dia todo?

Vale destacar que na parte da tarde, os alunos têm aulas de Interação Social e Sociocultural, Alfabetização, Letramento e Língua Portuguesa, Linguagem Matemática, Teatro, Artes Visuais, Brincadeiras e Jogos, Esporte, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Empreendedorismo, Iniciação Científica, Informática e Tecnologia, Língua Inglesa, Higiene Pessoal e Alimentar. Um cardápio de oportunidades e possibilidades.

Serei mais contundente nas palavras. Estes pais, e nem o vereador em questão, têm o direito de serem contra isso! Ninguém pode tirar das crianças a possibilidade de aprender mais; a educação é o único caminho para todos.

O parlamentar afirmou até que pais já estão buscando outras unidades para matricularem seus filhos para que eles não precisem frequentar a Carlos Henriques, que só funciona em tempo integral. Uma má notícia para o vereador e essas pessoas: Canaã terá, muito em breve, 100% de suas escolas funcionando em tempo integral. A educação liberta, transforma e resgata as pessoas da ignorância.

Inclusive, houve até a denúncia de que somente suco e biscoitos estavam sendo servidos aos estudantes. Calúnia! Canaã oferece aos alunos uma das melhores refeições escolares do estado e não é de hoje. Há pelo menos cinco anos, somos destaque nisso e essa é uma verdade inquestionável.

Apesar do absurdo aqui, tenho a certeza de que, daqui a algumas décadas, serão os filhos dos estudantes da Ouro Verde que vão ter acesso ao ensino integral. Tão certo como o dia põe fim à noite, os estudantes de hoje, que serão os pais de amanhã, não vão tentar tirar de seus filhos o direito a uma educação mais ampla.

Mas para enxergar isso, o futuro que se desenha, é preciso estar fora da caverna.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.